PROJETOS EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA DO DESENHO TÉCNICO

Desde suas origens o homem comunica-se através de grafismos e desenhos. As primeiras representações que conhecemos são as pinturas rupestres, em que o homem representava não apenas o mundo que o cercava,mas também as suas sensações: alegrias, medos, danças...

Ao longo da história, a comunicação através do desenho, foi evoluindo, dando origem a duas formas de desenho: um é o desenho artístico, que pretende comunicar idéias e sensações, estimulando a imaginação; e o outro é o desenho técnico, que tem por finalidade a representação dos objetos o mais próximo possível da realidade, em formas e dimensões.

Em arquitetura, o desenho é a principal forma de expressão. É através dele que o arquiteto e ou projetista exterioriza as suas criações e soluções, representando o seu projeto, seja ele de um móvel, uma casa ou uma cidade.

O DESENHO TÉCNICO
O desenho começou a ser usado como meio preferencial de representação do projeto arquitetônico a partir do Renascimento, quando as representações técnicas foram iniciadas nos trabalhos de Brunelleschi e Leonardo da Vinci.

Apesar disso, ainda não havia conhecimentos sistematizados de geometria descritiva, o que tornava o desenho mais livre e sem nenhuma normatização. Um dos grandes avanços em desenho técnico se deu com a geometria descritiva de Gaspar Monge (1746-1818), que pesquisou e apresentou um método de
representação das superfícies tridimensionais dos objetos sobre a superfície
bidimensional. A geometria mongeana, como também é conhecida, utiliza a técnica do desenho até os dias atuais.
Com a Revolução Industrial, os projetos das máquinas passaram a necessitar
de maior rigor e os diversos projetistas necessitaram de um meio comum para
se comunicar. Desta forma, instituíram-se a partir do século XIX as primeiras
normas técnicas de representação gráfica de projetos. A normatização hoje está
avançada e amadurecida.O Desenho Arquitetônico é uma especialização do desenho técnico Normatizado voltado para a execução e representação de projetos de arquitetura.

desenho de arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto). Dessa forma, seu entendimento envolve um certo nível de treinamento. O que torna uma disciplina de
extrema importância nos cursos técnicos e faculdades.



PROJETO  ARQUITETÔNICO 





PROJETO ARQUITETÔNICO x DESENHO ARQUITETÔNICO

A Arquitetura, como a arte de edificar, é, ao mesmo tempo, uma ciência dinâmica e ilimitada em sua capacidade criadora, que aliou as necessidades fundamentais do homem, como:
a) físicas: de abrigo;
b) emocionais: de segurança e proteção;
c) estéticas: de beleza e funcionalidade.

DESENHO ARQUITETÔNICO
. É todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante o processo de projeto arquitetônico.
. O desenho arquitetônico, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto)

PROJETO ARQUITETÔNICO - 

 . FASES DO PROJETO

. ESTUDO PRELIMINAR – primeiro esboço.Guia amarela, topografia, fotas, consultas aos órgãos são feitas.

. ANTEPROJETO – após definição do projeto, são realizados projetos complementares.

. PROJETO DE EXECUÇÃO – ajustes entre os diversos projetos e definição dos detalhes para a obra.

. PROJETO CONSTRUÍDO – modificações feitas durante a obra são anotadas e alterações podem ser realizadas.

NORMAS TÉCNICAS - Para facilitar a compreensão do projeto em nível nacional, todos os componentes que envolvem o desenho de arquitetura e engenharia são padronizados e normatizados em todo o país.
. Para isto existem normas específicas para cada elemento do projeto, assim como: caligrafia, formatos do papel e outros. O objetivo é conseguir melhores resultados a partir do uso de padrões que supostamente descrevem o projeto de maneira mais adequada e permitem a sua compreensão e execução por profissionais diferentes independente da presença daquele que o concebeu.
 ABNT -ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. -   é o   órgão responsável pela normatização técnica.

NORMAS TÉCNICAS - aplicáveis
. NBR 6492/94–Representação de projetos de arquitetura;
. NBR 8196/99–Emprego de escalas;
. NBR 8403/84–Aplicações de linhas–tipos e larguras;
. NBR 10068/87–Folha de desenho–leiaute e dimensões;
. NBR 13142/99–Dobramento e cópia.

OBJETIVO DA NBR-6492/94
. Fixar as condições exigíveis para representação gráfica de 
projetos de arquitetura, visando à sua boa compreensão.

. Obs.: Na aplicação desta Norma é necessário consultar:
. NBR 10068 - Folha de desenho – Leiaute e
dimensões - Padronização

DEFINIÇÕES DA NBR-6492/94
. Planta de situação;
. Planta de locação (ou implantação);
. Planta de edificação;
. Corte;
. Fachada
. Elevações
. Detalhes ou ampliações;
. Escala;
. Programa de necessidades;
. Memorial justificativo;
. Especificação;
. etc;

Formatos do papel
. Devem ser utilizados os formatos de papel da série “A”, 
conforme NBR10068/87, formato A0 como 
máximo e A4 como mínimo, para evitar
problemas de manuseio e arquivamento.






         PROJETOS EM CONSTRUÇÃO CIVIL  I

 Disciplina do Curso Técnico de Edificações do CEEP-CURITIBA





CONTEÚDOS  PRINCIPAIS

-Instrumentos de desenho;

-Noções de paralelismo, perpendicularismo, operações com segmentos, operações com ângulos;

-Figuras planas;

-Noções de proporção: unidades de medida e escala;

-Letras Técnicas;

-Projeções: introdução;

-Noções de Geometria descritiva: ponto, reta e plano;

-Noções de visualização espacial; vistas ortográficas principais: vista frontal, lateral direita e vista superior; Perspectivas: tipos, perspectiva isométrica; Generalidades; Sistemas de Projeção;

-Meios de representação de um projeto arquitetônico;

-Normas Brasileiras de desenho técnico NB-8;

-Plano Diretor do município;

-Estudos Preliminares;

-Planta baixa;

-Cortes;

-Planta de cobertura;

-Fachadas;

-Planta de locação;

-Planta de situação;

-Aproveitamento máximo dos espaços;

-Noções de ventilação e iluminação;



CONTEÚDOS  2º SEMESTRE